Com atividade comunitária, Olhe o Degrau e IVM promovem requalificação de escadaria no Jardim Ângela

Escada

 

 

 

 

 

Limpeza, pintura, murais e instalação de lixeiras. Nos dias 10 e 11 de junho, a organização Cidade Ativa, com o seu programa, Olhe o Degrau, estará à frente da recuperação da escadaria pública localizada na rua Miguel Dionísio Valle, 96, no Jardim Nakamura (distrito do Jardim Ângela). O trabalho será feito em conjunto com moradores e voluntários, tendo ainda apresentação musical de grupos locais na animação. O projeto desta intervenção foi desenvolvido para o IVM Cidade em Movimento no projeto Passagens Jardim Ângela, um estudo interdisciplinar realizado há mais de um ano sobre os caminhos e articulações de pedestres da região.

As atividades que acontecerão nos dois dias também têm a GED Inovação envolvida na realização, além de patrocínio da Bayer e apoio do Ciclo Social Arte, Escola Estadual Oscar Pereira Machado, Grêmio Transformação Jovem, Família Nakamura, Unidos do Macari, Comunidade Cidadã e Zoom Urbanismo, Arquitetura e Design.

A escadaria “Escola Estadual Oscar Pereira Machado” é um importante elo de mobilidade vertical, que beneficia jovens e crianças no seu caminho escolar, por meio de ligação da rua Agamenon P. da Silva (via de cima) com a rua Miguel Dionísio Valle (via de baixo). A revitalização da escadaria envolverá a pintura de grafites nos muros laterais e criação de mosaicos a partir de azulejos nos degraus. Também serão colocados bancos para lazer e descanso, bem como haverá a instalação de lixeiras ecológicas.

Segundo Camille Bianchi, chefe dos Estudos do Projeto Passagens no Jardim Ângela, a ação é fundamental para o engajamento das lideranças locais e da comunidade como um todo. Ela explica que a atuação do IVM Brasil naquela área tem papel determinante para levar conhecimento à comunidade sobre o planejamento e as ações das entidades públicas para a região.

“Fazemos uma importante costura do tripé que envolve o potencial de transformação, a mobilização das lideranças e a capacidade de investimentos dos órgãos públicos. Essa articulação por meio da pesquisa e do trabalho acadêmico que desenvolvemos no Jardim Ângela não pode ter percepção abstrata por parte da população. Nesse sentido, o workshop ajuda a mobilizar a grande energia da comunidade para a ação participativa”, enfatiza.

Desafios – Camille explica ainda que há muito por fazer no bairro e as possibilidades de proposição de melhorias são quase infinitas. “O trabalho está apenas no início e precisa de continuidade. Nosso formato de pesquisa facilita refazer estudos e atualizar a representação territorial, pois as modificações do território são constantes.”

Por conta disso, a população local está convidada a participar não só do workshop e de mutirões, mas de todo o processo. Esse é um passo essencial rumo aos avanços necessários para o Jardim Ângela.

Projeto Passagens – Criado e financiado pelo IVM, tem trabalhos em diversas cidades do mundo. No Jardim Ângela, foi o ponto de origem para todas as atividades que estão sendo realizadas nas escadarias. Trata-se de um amplo estudo multidisciplinar do território para mapear as passagens tradicionais e promover intervenções que facilitem a mobilidade dos pedestres, aperfeiçoando as condições de uso destes espaços de ligação como vielas, passarelas, escadas e cruzamentos.

Confira o vídeo sobre o dia de oficina aqui!

Conheça os relatórios de conclusão da primeira etapa do programa Passagens Jardim Ângela: http://goo.gl/1lqvS0

Saiba mais sobre o Projeto Olhe o Degrau no Jardim Ângela: http://goo.gl/iY21CQ